Arquivo

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

CONDUTA ESPÍRITA - DO JOVEM

   A idade juvenil sucede ao período infantil necessário para o espírito receber daqueles incumbidos de sua educação as melhores orientações para o seu progresso, já que este nesse período está mais sensível e acessível às impressões que ora recebe, sem, no entanto desfazer-se de seu arcabouço que começam mais vivamente a despertar no período da adolescência.

   Em sendo assim torna-se compreensível, pois o jovem de hoje tal qual o viajante que reencontra parentes, amigos e recordações de outrora, após longo período, manifestar entusiasmo diante da vida, entregando-se com paixão viva e força a tudo que o cotidiano lhe rodeia e oferece, revivendo comportamentos e atitudes, tendências e conflitos com raízes em outras épocas já vividas, ainda que nesta vida melhor lhe tenham sido dispensados orientações e direcionamentos no sentido da conquista de si mesmo e da superação do passado.

   Mesmo a melhor educação familiar pautada nas luminosidades dos exemplos de Jesus, jamais privará do jovem da responsabilidade e do dever de refletir ou apreciar com madureza suas ações de cada dia, que são tais quais convites para que ele próprio possa conter-se e conduzir sua própria existência, não se deixando levar pelos apetites transitórios da vida, o que fatalmente frustraria sonhos e adiaria os progressos que cabe a cada um realizar.

   Se o hábito de moderar os desejos e paixões leva ao equilíbrio, a atitude de achar que tudo não pode e tudo é mau, pecado etc, é intoxicar com o pessimismo instalado no mundo e dar-lhe continuidade. Da mesma forma o “deixar a vida me levar” afasta-nos do progresso, pois se o comandante deixa o barco a mercê do mar e das intempéries do clima, não só ele mais todo o esforço de companheiros dedicados ao sucesso da empreitada afundará ou navegará sem rumo, rumo a qualquer lugar na maioria das vezes de lágrimas. Temperança não é circunspecção sistemática nem pessimismo, mais equilíbrio nas atitudes que promovem o bem.

   Neste sentido o jovem que vigia os próprios atos e examina a própria consciência cotidianamente, demonstra madureza espiritual e que se sai da rota, logo retorna ao caminho de autoiluminação prevenindo-se contra desgostos no porvir. Reajustando condutas que não trazem paz a consciência ou tranqüilidade a alma, o jovem mantêm-se sempre alerta desenvolvendo em si: disciplina, persistência e bom senso, tesouros que o tempo não consome, os ladrões não levam e as traça não comem.

   Não temos a pretensão com este texto de criar manual de instrução, de aconselhamento ou de autoajuda para quem quer que seja – quem somos nós se não os primeiros a lê-lo e absorvermos seus ensinamentos? Mas exortar a juventude de raciocínio rápido, de atitude destemida diante do mundo, que questiona e quer saber o porque das coisas e que não tem medo de viver, para que persistentemente busque o equilíbrio e o discernimento necessários na moderação e sublimação das tendências que ora lhe aflorem, pois se é verídico que a juventude é uma fase passageira, também o é, o fato de não estarmos aqui a passeio.

   Todos nós temos compromissos e responsabilidades na aquisição de valores sublimes de variada ordem com vistas a vida perene da alma desde o instante do encontro do espermatozóide com o óvulo até o desligamento do último fio energético que nos ligue ao corpo.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

KARDEC. Allan. O Livro dos Espíritos. Tradução Guillon Ribeiro. 89. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2007.

VIEIRA, Valdo. Conduta Espírita, psicografia de mensagem do Espírito André Luiz. 21. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1998.

Dicionário Priberam da Língua Portuguesa (DPLP)
http://www.priberam.pt/DLPO/

Site de busca Google
http://google.com.br/

GLOSSÁRIO

INCUMBIDO: 1. Atribuir ou atribuir-se como encargo ou obrigação. = ENCARREGAR, ENCOMENDAR; 2. Ser competência ou atribuição de. = CABER, COMPETIR, TOCAR.

ARCABOUÇO: 1. Conjunto dos ossos de um vertebrado. = TÓRAX; 2. Estrutura óssea do peito. = OSSATURA; 3. [Por extensão] Constituição física; 4. [Técnico] Estrutura de madeira de uma construção. = ARMAÇÃO, MADEIRAMENTO; 5. Traçado inicial de algo. = DELINEAMENTO, ESBOÇO; 6. [Figurado] Capacidade, envergadura.

OUTRORA: Noutro tempo. = ANTIGAMENTE

ENTUSIASMO: 1. Estado do Espírito impelido a manifestar a admiração que o assoberba. 2. Força, veemência; transporte, arrebatamento; 3. Paixão viva; inspiração.

DISPENSAR: 1. Conceder dispensa a; isentar; prescindir de; distribuir. 2. Não se julga obrigado a.

FRUSTRAR: 1. Privar (a outrem) do que espera com fundamento; 2. Iludir; 3. Baldar, inutilizar; 4. Ficar sem resultado; 5. Malograr-se; 6. Inutilizar-se.

INTEMPÉRIE: 1. Inclemência do tempo; 2. Perturbação atmosférica.

TEMPERANÇA: 1. Hábito de moderar os apetites sensuais, os desejos, as paixões. 2. Comedimento, moderação.

CIRCUNSPECÇÃO: 1. Exame de um objeto por todos os lados. 2. Qualidade de quem tem cuidado a falar e a agir. = CAUTELA, MODERAÇÃO, PRUDÊNCIA, RESERVA. 3. Seriedade.

PESSIMISMO: 1. Sistema, opinião das pessoas que acham tudo mau ou mal, ou que vêem sempre as coisas pelo lado pior. 2. Tendência para julgar tudo mau.

PERSISTÊNTE: 1. Ato de persistir. 2. Qualidade de persistente. 3. Perseverança, constância, firmeza. | PERSISTIR: 1. Permanecer, perseverar, ser firme ou constante em. 2. Durar longo tempo.

DISCERNIMENTO: 1. Faculdade de discernir; 2. Critério; 3. Juízo; 4. Escolha; 5. Distinção; 6. Apreciação. | DISCERNIR: 1. Distinguir; 2. Estabelecer conveniente diferença (entre coisas ou pessoas); 3. Discriminar; 4. Conhecer; 5. Julgar; 6. Apreciar; 7. Medir; 8. Avaliar bem;

SUBLIMAÇÃO: Ato ou efeito de sublimar.| SUBLIMAR: 1. Exaltar; tornar sublime; engrandecer

SUBLIME: 1.Muito Alto; 2.Perfeitíssimo; 3. Majestoso; 4. Excelso; que fica acima de nós; 5.Poderoso; 6. Grandioso; 7. Esplêndido; encantador; 8. O bel; o máximo da perfeição, da beleza (nas obras artísticas); estilo sublime.


Dicionário Priberam da Língua Portuguesa (DPLP)
http://www.priberam.pt/DLPO/
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...