Arquivo

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

DISCURSO ESPÍRITA EM ÁUDIO: 002 - DEUS | DA NATUREZA DIVINA


Certa feita em uma escola de porte médio, um professor substituto foi chamado às pressas, pois um dos docentes adoecera. Ao entrar na sala de aula e apresentar-se, logo indagou a garotinha que sentava-se a primeira cadeira de uma das filas.
- Para você, o que é a luz? – Meio sem jeito, a garota respondeu.
- Desculpe professor, nunca vi a luz. Desde que nasci eu não enxergo... Mas, penso que a luz deva ser como um abraço de Deus. Carinhoso, quentinho, aconchegante e que enche de vida a tudo que o acolha.
Assim como a garotinha que nunca viu a luz, a humanidade ainda não consegue penetrar a natureza íntima do Senhor da Vida, embora já seja capaz de perceber sua ação. É um sentido que ainda aguarda a completa depuração do ser imortal que somos para poder eclodir. Até a conquista desta condição individual de consequências coletivas, pode o homem identificar alguns dos atributos, características que de modo algum deva faltar a Deus. E nos valendo das ciências históricas, que através de fatos e artefatos que contam a longa e extraordinária viagem do homos em busca do Self e de sua razão de existir, identificamos que a percepção de Deus e de seus atributos, mudou com o progresso alcançado pelo homem.
Assim aduz Joana de Ângelis através da psicografia de Divaldo Pereira Franco no livro Estudos Espíritas:
Desde tempos imemoriais, a interpretação da divindade tem recebido os mais preciosos investimentos intelectivos que se possam imaginar. Originariamente confundido com a sua obra, [Deus] mereceu ser temido pelos povos primitivos que legaram às culturas posteriores a sedimentação supersticiosa das crendices em que fundamentavam o seu tributo de adoração, transitando mais tarde para a humanização da divindade mesma, eivada pelos sentimentos e paixões transferidos da própria mesquinhez do homem.
Para os povos mais primitivos, deus - com d minúsculo, representa as forças da natureza, e dessa forma naturalmente para eles haviam muitos "deuses". Para os povos indígenas brasileiros, há Amanaci (a deusa da chuva), Tupã (o deus bom, senhor do raio, do relampado e do trovão) e Iaci (Deus da lua), dentre tantas outras divindades. Cada um com características próprias, responsável por este ou aquele departamento da natureza.
Posteriormente em civilizações mais avançadas, também comportamentos, características e paixões humanas passaram a ser representadas por deuses. Na Grécia antiga Afrodite era cultuada como a deusa do amor, da beleza e do sexo; e Dionísio o deus do vinho das farras e da loucura. Na Roma dos Césares, Cupido era o deus da paixão, enquanto que Belona era cultuada como a deusa da Guerra. Percebe-se facilmente assim, que tanto os povos primitivos quanto civilizações um pouco mais evoluídas, adoravam vários deuses, eram politeístas.
E para Allan Kardec na obra “A Gênese: os milagres e as predições segundo o espiritismo”:
Foi à ignorância do infinito das perfeições de Deus que engendrou o politeísmo, culto de todos os povos primitivos; eles atribuíram divindade a todo o poder que lhe pareceu acima da humanidade; mais tarde, a razão levou-os a confundirem essas diversas potencias em uma única.
E assim se deu. A humanidade começou de forma mais lúcida a perceber a divindade única que cria e rege o universo, a partir do milenar povo hebreu. Nas palavras de Emannuel todas as raças que compõe a humanidade, possuem uma dívida de gratidão para com esse povo. Foram, pois os primeiros a reconhecer e aceitar a existência única de um Ser Supremo, não obstante eivado com todas as qualidades humanas predominantes a época de primarismos: violento, vingativo, julgador, intolerante, castigador, parcial...
Nunca é demais ressaltar que é deste povo que surgiram os Judeus, povo no qual nasceu Jesus, o Portador da Boa Nova que apresenta aos homens um Deus imparcial que ama a todas as suas criaturas indistintamente e que as cria com as mesmas possibilidades, capacidades e oportunidades para progredir. Um Deus que nunca para de agir e que a todos convida a agirem promovendo o bem, edificando o reino dos céus por si e em si mesmos, contribuindo na construção deste nos outros com o exemplo. Um Deus que sempre faz o que é melhor, mesmo que no momento em que vivamos situações de alegria e felicidade, ou de desdita e angustia, não compreendamos suas formas de educar o espírito imortal que somos. Um Deus que perdoa indistintamente e sempre, quando para isso nos colocamos na condição de recebê-lo, em perdoarmos os outros quando estes nos ofendem. Um Deus de amor, nas palavras de João o Evangelista.
E a humanidade, conquanto nos últimos milênios tenha galgado largos passos no campo intelectual, e alguns tímidos no ético e no espiritual, ainda não é capaz de penetrar na natureza íntima do Senhor da Vida, muito embora o esforço do Rabi Galileu em vivenciar o caminho, exemplificando-o. É que para tal, ainda nos falta um sentido para entendermos a natureza Divina, assim nos asseveram os espíritos da Codificação. Somos apenas capazes de perceber alguns atributos que não podem faltar ao Incriado, sem ferir a razão.
E abstração feita de todo e qualquer crédulo religioso:
Deus é a suprema e soberana inteligência: se se supusesse limitada em um ponto qualquer, poder-se-ia conceber um ser ainda mais inteligente, capaz de compreender e de fazer o que outro não faria, e, assim sucessivamente até o infinito.
Deus é sempiterno: (...) não teve começo e não terá fim. (...) Se lhe supusesse um começo ou um fim, poder-se-ia conceber um ser tendo existido antes dele, ou podendo existir depois dele, e assim sucessivamente até o infinito.
Deus é imutável: Se estivesse sujeito a mudanças, as leis que regem o universo não teriam nenhuma estabilidade.
Deus é imaterial: quer dizer, que a sua natureza difere de tudo o que chamamos de matéria; de outro modo, não seria imutável, por que estaria sujeito as transformações da matéria.
Deus é todo-poderoso: se não tivesse o supremo poder, poder-se-ia conceber um ser mais poderoso (...).
Deus é soberanamente justo e bom: a sabedoria providencial das leis divinas se revela nas pequenas coisas como nas maiores, e essa sabedoria não permite duvidar nem da sua justiça, nem da sua bondade.
Deus é infinitamente perfeito: é impossível conceber Deus sem o infinito das perfeições, sem o que não seria Deus, por que se poderia sempre conceber um ser possuindo o que lhe faltasse. Para que nenhum ser possa superá-lo, é preciso que seja infinito em tudo.
Deus é único: a unidade de Deus é a consequência do infinito das perfeições. Um outro Deus não poderia senão com a condição de ser igualmente infinito em todas as coisas; por que se houvesse, entre eles, a mais leve diferença, um seria inferior ao outro, subordinado ao seu poder, e não seria Deus.
Reflitamos sobre estas características que nossa apequenada razão nos permite entrever, e analisemos se elas estão de alguma sorte em desacordo com o Deus de amor anunciado por Jesus. Se ainda não conseguimos penetrar na natureza íntima de Deus, isso não nos tira a responsabilidade de por uma ação consciente, refletir, pensar, buscar compreender aquilo que não Lhe deve faltar, para de alguma forma fazer ideia mais justa de sua existência e de sua ação.

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

1. KARDEC, Allan, 1804 – 1869; tradução de Salvador Gentile. A Gênese: os milagres e as predições segundo o espiritismo – 38ªed. | Araras – SP, Instituto de Difusão Espírita, 2004.

2. ÂNGELIS, Joana, psicografado por Divaldo Pereira Franco. Estudos espíritas – 9ed. | Rio de Janeiro – RJ, Federação Espírita Brasileira, 2011.

3. EMMANUEL, psicografado por Francisco Cândido Xavier. A caminho da luz: história da civilização à luz do espiritismo – 30ed. | Rio de Janeiro – RJ, Federação Espírita Brasileira, 2003.

4. GOULART, Michael. 12 deuses do olimpo na mitologia grega. <Disponível em: http://www.historiadigital.org/curiosidades/12-deuses-do-olimpo-na-mitologia-grega/. Acessado em: 17 de dezembro de 2014.>

5. OLIVEIRA, Edí Carlos Rebouças. A Percepção de Deus. Russas, 12 de janeiro de 2014. <Disponível em: http://discursoespirita.blogspot.com.br/2014/01/percepcao-de-deus.html. Acesso em: 01 de dezembro de 2014.>

6. WIKIPEDIA. Mitologia Romana. <Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Mitologia_romana. Acessado no dia 17 de dezembro de 2014.>
7. PRIBERAM. Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. <Disponível em: http://www.priberam.pt/DLPO. Acessado em: 17 de dezembro de 2014.>

DADOS TÉCNICOS DO PROGRAMA
Texto de Edí Carlos R. de Oliveira e Música: ”Doutrina Espírita” do Grupo AME e “Servos Fieis” de Ricardo Sardinha
Gravado em: Núcleo Espírita Casa da Paz (Rua Dr. José Martins de Santiago, 1248 | Russas – Ceará – Brasil).

EQUIPE DE PRODUÇÃO DO PROGRAMA
Autoria e Narração: Edí Carlos R. de Oliveira
Prod. Técnica: Alessandro Lima
Revisão: Mª José Nunes Nepomuceno
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...